ABSURDO! + de 83% DE REPROVAÇÃO NA 1a. FASE XXVII EXAME DA OAB

Por Francisco Fontenele


É pura verdade! E pode ter sido maior. Isso porque infelizmente a FGV – não se sabe por que razão – deixou de divulgar o número efetivo de inscritos, sem justificar os motivos.


Pois bem, conforme se constata na página 41 do documento “Exame de Ordem em números” volume II de outubro de 2014, elaborado pela FGV Projetos, na 1a. fase do XIII Exame (em abril de 2014) foram 126.526 inscritos (sendo 118.909 efetivamente inscritos na 1a. fase do XIII Exame e mais 7.617 de examinandos provenientes do reaproveitamento da primeira fase do Exame anterior), consoante link abaixo:

https://fgvprojetos.fgv.br/sites/fgvprojetos.fgv.br/files/relatorio_2_edicao_final.pdf


É óbvio que, entre os anos de 2014 e 2018, o número de inscritos aumentou. No entanto, em razão da não divulgação pela FGV dos números oficiais, tem sido comum divulgar sempre o número estimado de 125.000 inscritos como base – como faz costumeiramente o conceituado blogexamedeordem.com.br –, para fins de apuração dos resultados: número de inscritos X quantidade de aprovados divulgados pela FGV.


Assim, considerando que, conforme também informado pelo confiável blogexamedeordem.com.br, somente 20.995 foram aprovados na 1a. fase do XXVII, dessa feita dos prováveis 125.000 inscritos, resulta a triste comprovação da aprovação de tão somente 16,79%, e da REPROVAÇÃO de 83,21%. Frisa-se ainda que, evidentemente, pode ter sido maior o percentual de reprovação, caso o número de inscritos tenha sido superior aos 125.000.


Diante dessa acepção, outra infeliz constatação é a de que, apenas nos 3 (três) últimos anos, se estima que em torno de 650.000 bacharéis de direito foram REPROVADOS no Exame de Ordem.


Será que a PROVA É DIFICIL mesmo? É ela própria a principal responsável por tão elevada REPROVAÇÃO?


Bem, com o máximo respeito aos que expressam e manifestam suas opiniões em atribuir culpa exclusiva na estruturação da prova, permitam-me divergir um pouco, pelas seguintes razões: 


a) desde que a prova passou a ter 80 (oitenta) questões, temos registros criteriosos de inúmeros professores altamente especializados, das 17 (dezessete) disciplinas cobradas, cuja maioria absoluta aponta que nas provas aplicadas, as questões tidas como “fora da curva”, “dificílimas”, “complexas”, “com enunciados longos e cansativos”, “mal-elaboradas” e etc., que em média, a totalidade das questões questionáveis por Exame são de 4 (quatro) ao máximo 6 (seis) questões, considerando uma pequena margem de erro;


b) conclui-se que, mesmo considerando o total de 6 (sete) questões “fora da curva”, “dificílimas”, “complexas”, “com enunciados longos e cansativas”, “mal-elaboradas”, etc., por prova, restam ainda 74 (setenta e quatro) das 80 (oitenta) questões; e,


c) para ser aprovado na 1a. fase basta que o examinando acerte somente 50% das questões. Logo, mesmo eliminando as 6 (seis) supramencionadas, das 74 (setenta e quatro) restante, bastaria que o examinando acertasse 37 (trinta e sete).


Sim, e  daí? Ocorre que, além explanação acima, conforme relatórios da FGV (com pequena margem de erro), pasmem e vejam os seguintes dados:


a) em média, 55% dos examinandos acertam no máximo, somente até 30 (trinta) questões da prova;

b) em média, 11% dos examinandos acertam no máximo, entre 30 (trinta) a 33 (trinta) questões;

c) em média, 6% dos examinandos acertam no máximo, entre 33 (trinta) a 36 (trinta) questões;

d) em média, 6% dos examinandos acertam no máximo, entre 36 (trinta) a 38 (trinta) questões;

e) em média, 5% dos examinandos acertam no máximo, entre 38 (trinta) a 39 (trinta) questões;

f) em média, 17% (dezessete) dos examinandos acertam acima de 40 (quarenta) questões e são aprovados.


Em consequência disso, resta estampado que, mesmo eliminando as questões “fora da curva”, “dificílimas”, “complexas”, “com enunciados longos e cansativas”, “mal-elaboradas”, etc., somente considerando os índices das alíneas a), b) e c), de igual modo, em torno de 73% dos examinando, seriam reprovados.


Outro fator, também alarmante, é que mais de 50% dos examinandos erram as questões por não saberem interpretarem corretamente os seus enunciados.


Registre-se, também, que, frequentemente, após a realização das provas, inúmeros professores, na maioria de fato especialistas na preparação para o EO, por meio de análises e comentários – nos seus vários canais de comunicação ou dos respectivos cursos onde lecionam – têm revelado sempre que, principalmente, as últimas provas o nível apresentado é de médio a difícil e que a prova está sendo justa no que cobra. Pontuando, no entanto, que alguma ou outra questão contém erro material e merece anulação e, em geral indicam entre 2 (duas) a 4 (quatro) questões. 


Sendo assim, no cenário retro demonstrado, questiona-se: o verdadeiro “bicho papão” é mesmo a PROVA da FGV? Acreditamos que não!


Infelizmente é triste e lastimável o já exposto!


E, ainda nesse diapasão, com toda franqueza, alertamos os examinandos para se conscientizarem que, após 4 (quatro) para quem ainda está na graduação e apto a prestar o EO ou 5 (cinco) anos, depois da conclusão do curso de Direito, é IMPERIOSO e VITAL que ele se disponha com foco, determinação, sacrifício e responsabilidade, verdadeiramente optar pela melhor preparação possível visando à sua aprovação no EO.


O examinando tem de adquirir a consciência do real tamanho do seu objetivo e não pensar que é somente do seu jeito e no seu tempo que irá lograr êxito. Também não pode, de forma alguma, imaginar que apenas estudando de véspera (aulões, revisões, dicas, etc.), ou estudando por meio de uma enxurrada de conteúdos de duvidosa qualidade, vai obter sua aprovação. E é isso que tem acontecido com a maioria.


Diante de toda essa infeliz situação, nós nos dedicamos com afinco, por anos, a analisar e discutir soluções e alternativas de métodos de aprendizagem e preparação específicos e eficazes para a efetiva aprovação dos examinandos no EXAME DE ORDEM.


Daí é que, em novembro de 2017, publicamos, inclusive, um artigo denominado TRILHA DA APROVAÇÃO NO EXAME DA OAB, oportunidade em que lançamos no Brasil Jurídico um curso com a mesma denominação e/ou nomenclatura.


Iniciamos o referido artigo questionando o seguinte: “Se todos têm acesso fácil a vídeoaulas, textos, áudios e outros conteúdos, por que o índice de reprovação no Exame de Ordem é tão alto?”


E mais, “...se há tão fácil acesso às mais diversas informações, por que, mesmo assim, os índices de reprovação no Exame de Ordem continuam tão elevados?”


A RESPOSTA


A explicação é uma só: o modelo de aprendizagem e preparação que vem sendo utilizado se esgotou!


No atual cenário tecnológico em que vivemos, repleto de informações rápidas e constantes, é fundamental e necessário que todos, além de conhecerem as possibilidades dessa nova realidade, participem da ruptura de práticas pedagógicas e de aprendizagem tradicionais e obsoletas, a fim de que extraiam o máximo de proveito em prol do saber.


Assim, urge a adoção de novos conceitos facilitadores do aprendizado por meio de plataforma tecnológica e com o uso de metodologia avançada, haja vista a condução de ferramentas e estratégias inteligentes e com a estipulação de metas bem definidas.


Tudo isso voltado para a preparação para o Exame da OAB.


A SOLUÇÃO


Atento à necessidade de identificação do caminho adequado para uma carreira coroada de sucesso, o Brasil Jurídico, lançando mão de tecnologia avançada, inovadora, autoral e exclusiva, lançou no final do segundo semestre de 2017, a “TRILHA DA APROVAÇÃO PARA 1ª FASE DO EXAME DA OAB”.


Trata-se de mais uma iniciativa vitoriosa dessa instituição cuja marca é a fidelidade ao compromisso ético de oferecer, sempre, conteúdos de excelência, por meio de métodos arrojados e de recursos inovadores, contando efetivamente com a participação de professores que aliam o conhecimento científico, acadêmico e profissional à arte de ensinar, de se fazer compreender, colaborando para a construção e para a autonomia do conhecimento, na preparação das pessoas para a progressão e para o sucesso profissional e, também, de uma equipe de colaboradores competentes e comprometidos.


O aluno/examinando, que percorre a TRILHA, tem, ao acessar a plataforma, um robusto conjunto formado por conteúdo reconhecidamente de excelência, por inovadores conceitos voltados para a facilitação do aprendizado, por metodologia de última geração, por estratégias inteligentemente traçadas e por metas definidas de um modo tal que o planejamento do examinando seja exequível e vocacionado para o sucesso. 


Tudo isso acompanhado de informações detalhadas e personalizadas, que permitem ao examinando, por meio da análise de gráficos e de relatórios fartamente emitidos, ter amplo conhecimento a respeito do seu desempenho pessoal. 


Com isso, torna-se possível direcionar adequadamente os estudos para os temas que efetivamente interessam e para as áreas em que houver mais necessidade de obtenção de reforço do conhecimento. E, fundamentalmente, sempre promovendo sua autoavaliação constantemente, por meio das inúmeras baterias de questões e simulados disponibilizados na plataforma, até alcançar a meta mínima pretendida.


AS ETAPAS DA TRILHA


Tudo começa com o Análise 360ºo, ferramenta com informações preciosas a respeito do histórico de todas as provas aplicadas pela FGV no Exame da OAB.


Tal histórico é acompanhado de um detalhado e critérios mapeamento que aponta a ordem de relevância das disciplinas e, dentro das disciplinas, os temas e os subtemas que mais frequentemente são exigidos nas provas. 


O Análise 360º possibilita ao examinando a otimização dos seus estudos. Essa é a primeira etapa da TRILHA.

A segunda etapa é a realização dos 2 (dois) simulados diagnósticos iniciais com meta de desempenho. Antes de iniciar a TRILHA, é essencial que sejam realizados os 2 (dois) simulados DIAGNÓSTICOS iniciais no padrão 100% FGV. Ao finalizá-los, o sistema emite automaticamente os relatórios de desempenho apontando, exatamente, sua performance e a indicação dos seus pontos fracos em todas as disciplinas por tema e subtema, além de, também, automaticamente, fornecer um link direto para vídeoaulas e materiais que precisa reforçar.


Na terceira etapa, o sistema disponibiliza, sempre de acordo com a performance e real necessidade do aluno e por disciplina:


1. ANÁLISE 360º específicas;


2. BATERIA DE QUESTÕES (acervo com mais de 2.000) por meio do SIMULADOR SAAP-Sistema de Aprendizagem de Alta Performance, ferramenta inédita e exclusiva. No Simulador SAAP, o examinando participa de umasimulação da prova, com 80 questões inéditas e adaptadas, todas no padrão 100% FGV. Oportunidade em que pode optar pelo modo de resolução COMENTADO ou PROVA. Cada uma das questões é acompanhada de comentários em vídeos e/ou áudios, o que permite ao examinando saber a razão do seu acerto ou do seu equívoco, além de propiciar melhor compreensão dos enunciados de cada questão. Ressalte-se, também, que, no modo COMENTADO, o aluno é contemplado ainda com as seguintes ferramentas: cronômetros | indicações de legislações e jurisprudências correlatas | gabarito individualizado por questão | campo para anotações | emissão de relatórios completos com o diagnóstico geral por meio de infográficos.


3. INDICADOR DE REFORÇO DOS PONTOS FRACOS. O Simulador SAAP gera, sempre automaticamente, relatórios e gráficos que demonstram ao examinando, de modo personalizado, os seus pontos fortes e os pontos fracos ainda merecedores de avaliação. Também, automaticamente, fornece um link direto para vídeoaulas e materiais que precisa reforçar.


4. VÍDEOAULAS. O Curso possui um acervo completo de vídeoaulas (em blocos de aproximadamente 20 (minutos) atualizadíssimas com os temas mais incidentes no Exame de Ordem, de acordo com o mapeamento realizado por meio do Análise 360º.


5. ACOMPANHAMENTO PERSONALIZADO. O curso acompanha individualmente toda a trajetória de estudos dos alunos e, frequentemente, envia relatórios de performance e do controle das aulas assistidas.


O objetivo, primordial, é muito claro: o examinando, posto na TRILHA,perseguirá, incessantemente, o atingimento da meta proposta para a sua aprovação.


MAIS FERRAMENTAS DA TRILHA


Cronograma e plano de estudo. Vade mecum virtual (banco contendo toda a legislação atualizada), acessível por meio de links e organizada por disciplina. Material de apoio. Tira dúvidas. Suporte de apoio e – o que é mais importante – da força do Brasil Jurídico para impulsioná-lo em direção ao sucesso. 


E O ÍNDICE DE APROVAÇÃO DOS ALUNOS DO BRASIL JURÍDICO 


Aí sim, é motivo de orgulho e imensa alegria registrar e estampar nossos resultados, inclusive já na 1a. fase do XXVII EO, recém-apurado. Demonstrando, de forma inconteste, a eficácia da nossa Plataforma em prol do êxito dos nossos alunos!


Pois bem, APROVAMOS 61% dos nossos alunos matriculados na TRILHA DA APROVAÇÃO PARA O XXVII Exame de Ordem. Isso mesmo!


Ah! E por que os demais alunos não obtiveram aprovação? Simples, 25% dos alunos matriculados não fizeram o XXVII, pois estão se preparando antecipadamente para o XXVIII e, os 13% dos restantes, efetivamente, não conseguiram por vários outros motivos alheios à nossa proposta.


COMPROMISSO COM A APROVAÇÃO


Sim, todos alunos que, porventura, não sejam aprovados, tem a nossa garantia de que recebe gratuitamente o acesso ao curso completo para o Exame seguinte, até passar!


O OBJETIVO

Por meio desse conjunto inovador, o objetivo do Brasil Jurídico, com a TRILHA,é possibilitar que o examinando alcance o desempenho mínimo de 70% de acertos


Ao atingir esse percentual, o examinando fatalmente chegará ao dia da prova com a tranquilidade e com a segurança de que sua aprovação é perfeitamente possível e de que o êxito está diante dele.


Siga a TRILHA. Conquiste a sua aprovação!


Nossa missão: VOCÊ APROVADO!


A MELHOR E MAIS COMPLETA PLATAFORMA DE APROVAÇÃO COM ALTISSÍMA QUALIDADE E PREÇO JUSTO.


CONHEÇA A TRILHA:


https://www.brasiljuridico.com.br/cursinhos/exame-oab/trilha-da-aprovacao-xxviii-exame-da-oab-1-fase





Trilha da Aprovação, TRILHADAAPROVAÇÃO